S.O.S. Missão África

SOS Missão África
SOS Missão África

     O S.O.S. Missão África foi um projeto que envolveu, ao longo dos três últimos anos os alunos do 2.º ciclo, no âmbito dos respetivos Projetos Curriculares de Turma. Pretendeu-se sempre dar ênfase à dimensão social como forma de crescimento e valorização da própria dimensão humana de cada um dos nossos alunos.

    Apresentamos de seguida, em jeito de retrospetiva, o nosso olhar sobre o trabalho desenvolvido. Um bem-haja a todos os que colaboraram e deram vida, através da partilha solidária, a este projeto.

 

Ano letivo 2011.2012

CEI SER+

    Em resposta a um apelo lançado pela FASFHIC (www.fasfhic.eu), propusemo-nos a acolher uma das suas missões, a angariação de 500 € para a construção de um abrigo para uma família (mãe e três filhos) muito pobre de Moçambique, que em breve não teria onde habitar.

    Depois de uma partilha muito profícua com os alunos, surgiram várias ideias dignas de “pequenos grandes empreendedores” para angariar os fundos necessários para a iniciativa proposta, entre elas a venda de rifas, de bolos, bijuteria, enfeites feitos pelos alunos, com a ajuda dos pais, e o abdicar de algo (um jogo, pipocas no cinema, por exemplo) para oferecer o seu valor em prol deste projeto.

    Foi enorme o envolvimento e o desejo de ajudar, pelo que o valor inicialmente previsto (500€) foi largamente ultrapassado, o que gerou muita alegria e união entre todos. Depois de um contacto feito com a responsável pelo projeto, em Moçambique, esta comunicou que com o valor final de 1307€ optaram pela construção de uma “casa” com melhores condições, dado que o valor inicialmente previsto daria apenas para uma construção muito precária.

     No final do ano letivo, alguns alunos ainda muito sensibilizados com os frutos do seu “SER+” fizeram uma pequena venda na Feira Medieval e o valor angariado (34.48€) também reverteu a favor desta causa.

       Os coordenadoras da Equipa Educativa

Esmeralda Pinto (5.º ano) e Augusto Pinho (6.º ano)

 

Ano letivo 2012.2013

Aprender sem fronteiras 

(Documento de lançamento do projeto no início do ano letivo)

   No âmbito do Projeto Curricular de Turma, “Sem fronteiras – que limites?”, e depois de alguns diálogos com os alunos do II ciclo, propusemo-nos a continuar o projeto S.O.S. Missão África iniciado no ano transato.

   Com este projeto pretendemos despertar os nossos alunos, de uma forma mais envolvente, para a necessidade de olhar para além daquilo que os olhos veem, superando fronteiras, consciencializar para a importância de parar, olhar para os mais frágeis e indefesos… para os que nada têm – limites tão necessários para que não se mostrem indiferentes ao que se passa à nossa volta, como se de ficção se tratasse.

   Mantemos os objetivos traçados para este projeto:

- valorizar as diferenças, respeitando o outro;

- promover a partilha e a solidariedade com atos concretos – conhecer outras realidades, ajudar/comprometer-se em transformá-las e mudar a própria realidade interior de quem é solidário; 

- reconhecer o valor do grupo e da cooperação entre todos.

     Assim, propomos duas vertentes na ação dos alunos até ao final do ano letivo:

- Oferta de um “presente solidário”, constituído por um caderno (tipo sebenta, simples), uma caneta, um lápis, uma borracha e uma afia. Cada aluno preencherá a primeira página do caderno que vai oferecer com uma pequena dedicatória, uma foto ou um desenho que traduza aquilo que sente neste gesto.

- Desafiamos cada um dos nossos alunos a abdicar de algo, partilhando um pequeno valor do que é seu (exemplo, do seu mealheiro, o “privar-se” de uma compra ou optar pela compra de algo mais barato, …) em favor das crianças/adolescentes da Missão. Cada um registará na ficha S.O.S. Missão África, em anexo, mensalmente, o destino que quer dar ao seu donativo e, no final de cada mês, enviaremos o valor total angariado pelas turmas do 5.º e   6.º anos.

   Nenhuma destas propostas tem um caráter de “obrigação” e devem, obviamente, ser dialogadas, pensadas e projetadas em família.

   Por fim, informamos que as crianças/adolescentes que vamos ajudar pertencem à Congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da I.C. (www.confhic.com), mas será novamente através da FASFHIC (www.fasfhic.eu) que esta ajuda se efetivará.

   O vídeo publicado retrata o tipo de ajuda que é dada, ajuda que não tem fronteiras para a generosidade, mas que respeita o limite da liberdade de cada um. 

FELIZ PARTILHA!

 (Balanço final)

   Com o final do ano letivo, já é possível fazer o balanço do projeto SOS Missão África, um projeto de solidariedade para com os mais carenciados e que “dilatou” o coração dos nossos alunos do 2.º ciclo abrindo-os para uma realidade que sabem que existem, mas em que tiveram a possibilidade de passar das palavras à ação, em grupo.

   Atendendo aos objetivos definidos para este projeto, juntámos algum material escolar que será entregue em mãos na Missão Padre Raimundo dos Anjos Beirão – Invinha – Guruè – Moçambique, e um valor monetário de 406.68€.

   Na fase final do ano, aproveitando o projeto da Feira Medieval, os alunos do 7.º ano, que também se quiseram juntar a esta causa, venderam bijuteria, bolos e sumos e ofereceram a totalidade do valor angariado nessas vendas. Obrigada!

   Este foi, sem dúvida, um projeto abraçado de coração pelos nossos pequenos. Aqui ficam alguns dos testemunhos que o provam.

 “Eu quero ajudar porque esses meninos e meninas são pobres, não têm comida, não têm uma casa onde viver e nós, que temos tudo, queremos sempre mais coisas.”

“Eu gosto de ajudar.”

“Sei que há meninos em África a precisar da nossa ajuda.”

“Eu quero ajudar porque há meninos que não têm aquilo de que necessitam para crescer e aprender, nem têm livros nem brinquedos.”

“Quero ajudar as crianças que não têm nada.”

 “Porque nem todos têm o que nós temos: comida, roupa, educação e saúde. Devemos ajudar quem precisa.”

“Quero que as crianças de Moçambique tenham um mundo melhor.”

“As crianças de África precisam da nossa ajuda. Lá, as condições não são as melhores.”

“Fico feliz em poder partilhar algo com as crianças que não têm quase nada e ao ajudar estou a fazer outras pessoas felizes.”

“Acho que é importante ajudar aqueles que não têm nada. Eu acho que tenho tudo e dar aos outros um bocadinho do que tenho não é problema. Ajudar os outros é ajudar-me a mim própria.”

 A Irmã Ana Cecília (CONFHIC), Superiora Provincial, em Moçambique, manifestou a sua gratidão nestas singelas palavras

Queridos meninos do Centro de Educação Integral

 Saudações de Paz e Bem!

Foi muita alegria e gratidão que recebi a comunicação da parte da (professora) Esmeralda relativa ao donativo que nos preparastes com muito amor para nos ajudar na nossa missão de bem-fazer junto dos mais pobres da nossa terra, Moçambique.

Estamos conscientes de que o donativo, no valor de 406.68 euros, que nos enviastes é fruto de muito amor, dedicação, renúncia, generosidade e muita solidariedade para com os mais pobres e, em especial, para connosco. Que Deus vos recompense por tanto bem que nos fazeis e nos ajudais a fazer. Tenho a certeza que Deus não vos deixará sem recompense. Que Deus continue a abençoar-vos na vossa vida, nos vossos estudos e trabalhos.

Um grande abraço para cada um de vós.

Ir. Ana Cecília Manuel

Superiora Provincial

 A nossa gratidão a todos!

As coordenadoras da Equipa Educativa

Anabela Vieira (5.º ano) e Esmeralda Pinto (6.º ano)

 

Ano letivo 2013.2014

Pegada verde

   Durante este na letivo o projeto desenvolvido foi essencialmente de carater ambiental. No entanto, não foi esquecida a dimensão social, importante no desenvolvimento integral dos nossos alunos. Recolheram-se cerca de duas toneladas de papel, entregues à Associação “Casa Fiz do Mundo” com sede em Carregosa (projeto divulgado no facebook: “Casafizdomundo”) angariado com a entrega deste papel, pela própria Associação, para reciclagem reverteu a favor da Missão Humanitária que realizam em S. Tomé e Príncipe junto de crianças e famílias desfavorecidas.

Resultante das vendas de bolos, bebidas, pulseiras, entre outros, ainda foi possível entregar o valor monetário de 115€ que reverteu igualmente para a Missão Humanitária em S. Tomé.

 As Coordenadoras das Equipas Educativas

Esmeralda Pinto (5.º ano) e Anabela Vieira (6.º ano)

 

*Estão disponíveis vários ficheiros em anexo com conteúdos relativos a cada ano letivo.