E-Schooling

Objetivos e Estrutura Curricular


São objetivos do Ensino Secundário:

 - Promover a autonomia, o espírito crítico, a capacidade de reflexão e questionamento para o exercício de uma cidadania ativa e responsável;
 - Educar para o sucesso, tendo em vista o desenvolvimento de hábitos de estudo e trabalho que pressuponham a consecução dos objetivos de cada aluno e sua família em termos académicos e profissionais;
 - Desenvolver a capacidade de aprender a aprender de modo a potenciar os conhecimentos e competências com vista ao desenvolvimento da criatividade, de empreendedorismo e inovação, capacidade de iniciativa e trabalho de equipa; 
 - Promover o prazer de conhecer, de descobrir e compreender, valorizando estratégias de aprendizagem que estimulem a autonomia e a educação ao longo da vida; 
 - Estimular a participação cívica, o exercício do voluntariado e o intercâmbio como forma de se promover uma maior abertura para um mundo sem fronteiras;

 

Estrutura Curricular

Os cursos científico-humanísticos, vocacionados para o prosseguimento de estudos de nível superior, têm a duração de 3 anos letivos, correspondentes aos 10º, 11º e 12º anos de escolaridade e destinam-se a alunos que pretendam obter uma formação de nível secundário.

A oferta formativa compreende quatro cursos:
 - Ciências e Tecnologias
 - Ciências Socioeconómicas
 - Línguas e Humanidades
 - Artes Visuais

Os planos de estudo dos cursos integram:
 - A componente de formação geral (comum aos quatro cursos) – que visa contribuir para a construção da identidade pessoal, social e cultural dos jovens (Português, Língua Estrangeiras, Filosofia e Ed. Física);
 - A componente de formação específica – que visa proporcionar formação científica consistente no domínio do respetivo curso (uma disciplina trienal obrigatória, duas disciplinas bienais a escolher de entre o leque de opções de cada curso, obrigatoriamente ligadas à natureza do mesmo e, duas disciplinas anuais (12º ano), a escolher de entre o leque de opções de cada curso, sendo pelo menos uma obrigatoriamente ligada à natureza do mesmo);

Como complemento à oferta curricular o CEI oferece a todos os alunos a Preparação para Exame nas disciplinas que se propõem realizar Exames Nacionais integrado em horário letivo com docentes altamente especializados e experiência pedagógica comprovada.


Projeto de Autonomia e Flexbilidade Curricular

O CEI integra este projeto piloto do Ministério da Educação, nas turmas de início de ciclo no ano letivo 2017/2018.


Avaliação

A avaliação compreende as modalidades de:


1. avaliação formativa, que é:
    1.1) contínua, sistemática e formadora tem função diagnóstica, permitindo ao professor e ao aluno obter informação sobre o desenvolvimento das aprendizagens, com vista ao ajustamento de processos e de estratégias; 
    1.2) da responsabilidade do professor, em interação com o aluno, na perspetiva da promoção da autoavaliação, em colaboração com os outros professores, no âmbito do conselho de turma e, ainda, sempre que necessário, com os serviços com competência em matéria de apoio socioeducativo e os encarregados de educação;
    1.3) sustentada pela direção da escola que, sob proposta do conselho de turma, mobiliza e coordena os recursos educativos existentes, com vista a desencadear respostas adequadas às necessidades dos alunos, num processo apoiado e acompanhado pelo conselho pedagógico.


2. avaliação sumativa, que consiste na formulação de um juízo globalizante, expresso na escala de 0 a 20 valores, tem como objetivos a classificação e certificação e desdobra-se em avaliação sumativa externa, da responsabilidade dos competentes serviços centrais do Ministério da Educação, concretizada na realização de exames finais nacionais, e em avaliação sumativa interna, da responsabilidade dos professores e dos órgãos de gestão pedagógica da escola.
    2.1. A avaliação sumativa interna 
       2.1.1) É da responsabilidade conjunta e exclusiva dos professores que compõem a equipa educativa, ao qual compete operacionalizar os critérios aprovados pelo conselho pedagógico, que se constituem referenciais comuns no interior de cada escola;
       2.1.2) Destina-se a informar o aluno e/ou o seu encarregado de educação sobre o desenvolvimento das aprendizagens definidas para cada disciplina e área não disciplinar e a tomar decisões sobre o percurso escolar do aluno;
       2.1.3) Prevê a utilização da ficha de autoavaliação onde constam as percentagens atribuídas a cada instrumento de avaliação.
       2.1.4) A avaliação sumativa interna, de acordo com o referido anteriormente, realiza-se, também, no final do mês de outubro, tendo, neste caso, apenas efeitos de caráter formativo.
       2.1.5) No final do 3.º período, tem as seguintes finalidades:
                 a)apreciação global do trabalho desenvolvido pelo aluno e do seu aproveitamento ao longo do ano;
                 b)atribuição, no respetivo ano de escolaridade, de classificações de frequência ou de classificação final nas disciplinas e áreas não disciplinares, sendo a classificação a atribuir e cada aluno proposta no conselho de turma pelo professor de cada disciplina e área não disciplinar; 
                 c)decisão, conforme os casos, sobre a aprovação nas disciplinas ou transição de ano, competindo a decisão quanto à classificação final a atribuir a cada aluno ao conselho de turma que, para o efeito, aprecia a proposta apresentada por cada professor, as informações que a suportam e a situação global de cada aluno.

    2.2. A avaliação sumativa externa
        2.2.1) destina-se a aferir o grau de desenvolvimento da aprendizagem dos alunos, mediante o recurso a instrumentos de avaliação definidos a nível nacional;
        2.2.2) realiza-se através de exames finais nacionais, organizados pelo serviço ou entidade do Ministério da Educação e Ciência designado para o efeito.
        2.2.3) a avaliação externa no ensino secundário, realiza-se no ano terminal das disciplinas sujeitas a exame: Português, na disciplina trienal da componente de formação específica, em duas disciplinas bienais da componente de formação específica ou numa das disciplinas bienais da componente de formação específica e na disciplina de Filosofia da componente de formação geral, de acordo com a opção do aluno.
        2.2.4) A conclusão dos cursos depende da aprovação em todas as disciplinas e nas áreas não disciplinares do plano de estudos respetivo. Estes cursos conferem um diploma de conclusão do nível secundário de educação.